Adestradores: como escolher o modelo ideal de coleira para o cachorro?

Sempre que há necessidade de utilizar coleiras em nossos pets o cuidado com a adequação do equipamento torna-se indispensável. Escolher um item errado pode machucar o animal e até mesmo influenciar na sua segurança durante as atividades com o cãozinho. Para adestradores, então, a escolha correta é ainda mais importante. Mas, afinal, como escolher o modelo ideal de coleira para o cachorro?


Preparamos a seguir um guia completo para orientar a sua busca pelos diferentes itens disponíveis no mercado. Consideramos para cada alternativa a adequação em termos de atividade e porte do animal. Confira!


Como escolher o modelo ideal de coleira para o cachorro: entenda por que os equipamentos de obediência devem ser evitados

Hoje em dia, já é consenso que o modelo enforcador não é recomendado, embora tenha sido muito utilizado para corrigir os cães no passado. Esses itens são tensionados quando o animal ou o condutor puxam a guia, e como a região em torno de garganta e pescoço é uma das mais frágeis dos cachorros, isso pode causa danos ao animal principalmente no longo prazo. Para os animais de micro e pequeno porte, então, é completamente proibida a utilização deste equipamento.

A razão para isso é que esses caninos têm propensão ao colapso traqueal. Na prática isso significa que a região por onde passa o ar pode acabar sendo reduzida. Se forem cães braquicéfalos – de focinho achatado - o risco é ainda maior. Lembre-se sempre dessa informação quando estiver em dúvida sobre como escolher o modelo ideal de coleira para o cachorro.

Lembramos ainda que nos animais maiores o trauma físico também pode ocorrer e é possível que surjam resultados comportamentais indesejados. O ideal é buscar por coleiras peitorais de treinamento que permitam maior controle sobre o animal, mas sem causar desconforto. A seguir damos algumas dicas para orientar a sua escolha.


Quando os adestradores devem optar pelos peitorais?

O peitoral é ideal para os animais de pequeno porte, já que preserva e protege a região do pescoço. Aqui os modelos anti-puxão são os mais recomendados. Como o encaixe da guia fica na região do peito, o cão tem liberdade, mas com a devida restrição. Assim, os adestradores podem fazer correções quando necessário.

A eficiência é tão grande que mesmo os peludos mais persistentes acabam gostando. E o melhor de tudo: sem qualquer desconforto ou dor para o canino. A versão do peitoral anti-puxão pode ser encontrada para todos os tamanhos de cachorro.

Antes de continuar, vale abrir um parêntese para falar da importância das guias. Elas também devem passar por uma adequação. Nesse caso ao tipo de treinamento. As longas são para treinamento de comandos à distância. Já as curtas se adequam bem aos cães de pequeno porte e ao treinamento de passeio junto ao tutor.


As vantagens da coleira cabresto

Outra coleira que vale ser mencionada nesse guia de como escolher o modelo ideal de coleira para o cachorro é o tipo “cabresto”. Também conhecida como “Gentle Leader”, ela possui uma tira que vai na parte de cima do focinho, próxima aos olhos. Colocada de modo correto, não causa qualquer dor ou incômodo no cão. Ela oferece também, um bom equilíbrio entre conforto e segurança.

Vale ressaltar que alguns cães demoram a se adaptar a esse tipo de coleira. Contudo, basta persistência e reforço positivo para mudar esse quadro. Ela é mais indicada para cães de médio e grande porte, mas isso não impede que também possamos encontrá-la em tamanho pequeno e adaptado a outros cães menores. Os únicos que não se beneficiam do modelo são os braquicéfalos – aqueles com o focinho achatado -, devido ao encaixe no focinho.

Conheça os itens citados e muitos outros produtos pet em nossa linha. Aproveite também para entrar em contato e tirar qualquer dúvida que tenha restado sobre o assunto!